O maior centro de competências de Public Relations

150 consultores, gestores e técnicos, a referência do mercado português da Comunicação

A LPM fundou, em Portugal, a categoria de Conselho em Comunicação. As suas atividades têm-se desenvolvido, desde 1986, sempre na liderança do mercado - fruto da inspiração de clientes sofisticados e exigentes. Para novos problemas criaram-se soluções inovadoras, descobriram-se canais, inventaram-se metodologias. O âmbito de intervenção foi sendo alargado a todas as disciplinas das Public Relations, num movimento que produziu escala e dimensão e atraíu os melhores quadros da nossa indústria. Venha conhecer THE HOUSE OF PR.

Aceleradores de Tendências

Próximos dos Clientes

Na nossa atividade, a dimensão é uma virtude. Trabalhamos diariamente e de forma continuada com quase duas centenas de projetos em valências como Conselho em Comunicação, Assessoria Mediática, Online Reputation Management, Comunicação de Crise, Storyselling, Conteúdos Vídeo, Comunicação Médica, Desenvolvimento Web, Shopper Marketing e Edições. A dimensão das nossas equipas permite-nos acumular e partilhar conhecimento. A circunstância de acompanharmos número tão elevado de clientes não nos impede de acompanhar cada um deles com a máxima atenção em resultado da metodologia que utilizamos, com equipas focadas, motivadas e disponíveis. Áreas onde a LPM mais se tem destacado no tempo recente:

30 Anos 30 Histórias

  • Num hotel durante 6 meses

    Em 2009 foi-me lançado um desafio: mudar “de malas e bagagens” para o Porto, para integrar o Departamento de Comunicação da Unicer, enquanto a nossa cliente estivesse de licença de maternidade. Foram aproximadamente seis meses, que ainda hoje recordo, pois o balanço foi muito positivo. E morar num hotel é, sem dúvida, uma experiência única!

  • No tempo do fax

    Véspera de inauguração do Colombo. Naquela altura as correções e a aprovação de textos eram feitas via fax… O cliente assinalava no papel as alterações, reescrevia e devolvia por fax… Depois de várias versões dos textos para a inauguração, ao final do dia continuavam a chegar verdadeiros lençóis de papel com mais e mais alterações à versão, entretanto já aprovada. Houve alguém que não se conteve e desatou a pontapear os lençóis de papel com correções que se espalhavam pelo corredor do escritório no Areeiro, o que por segundos deixou atónita a nossa atual Diretora-Geral…

  • Há crioulo no Google translate?

    Um dos projetos mais interessantes em que estive envolvido na LPM terá sido, certamente, aquele que me coloca na equipa de trabalho para uma candidatura na Campanha à Presidência da República de Cabo Verde em 2006.

    O meu papel restringia-se mais à produção de conteúdos para a campanha. Retirava um gozo especial da elaboração dos guiões para os tempos de antena.

    Estava bem documentado e cabia-me replicar os vários temas, definidos como prioritários pela entourage da candidatura com base na pesquisa disponível.

    Parte do produto final era apresentado em crioulo. Ora, eu não percebia, nem percebo, nada de crioulo.

    Também não podia contar com as ferramentas online que hoje nos auxiliam em alguma tradução mais complicada.

    O Google Translator (ainda) não assume a língua crioula de Cabo Verde. E foi assim que nunca compreendi inteiramente se aquilo que tinha escrito nos guiões dos tempos de antena foi, efetivamente, dito.

  • Que bolo é este?

    Regresso ao escritório depois do almoço e na receção está um bolo enorme com o logótipo de um cliente. "Que bolo é este?", pergunto curiosa. "Não sei bem, mas o cliente está a celebrar o aniversário e mandou entregar no departamento das publicações". "Está mesmo a apetecer-me sobremesa. Não pode partir algumas fatias e oferecer a todos com café, por favor?" 
    Já pela hora do lanche, a simpática colega que distribuiu a iguaria, entra de rompante na minha sala:
    - Catarina, afinal o bolo era para uma produção fotográfica!!!! E agora?Nem tive coragem de contar que mais de meio já foi....
    - Oh diabo...! Que chatice! Bom, temos de mandar fazer um igual à pastelaria aqui do lado e eu pago. Só me faltava esta!
    E bom resto da minha tarde foi passado a tentar arranjar um logo igual (sem a internet de hoje), um pasteleiro competente, a acalmar a produtora...
    Bela partida que a equipa me pregou!  Falta de hábito. Não lidamos muito com bolos nesta nossa atividade!