O maior centro de competências de Public Relations

150 consultores, gestores e técnicos, a referência do mercado português da Comunicação

A LPM fundou, em Portugal, a categoria de Conselho em Comunicação. As suas atividades têm-se desenvolvido, desde 1986, sempre na liderança do mercado - fruto da inspiração de clientes sofisticados e exigentes. Para novos problemas criaram-se soluções inovadoras, descobriram-se canais, inventaram-se metodologias. O âmbito de intervenção foi sendo alargado a todas as disciplinas das Public Relations, num movimento que produziu escala e dimensão e atraíu os melhores quadros da nossa indústria. Venha conhecer THE HOUSE OF PR.

Aceleradores de Tendências

Próximos dos Clientes

Na nossa atividade, a dimensão é uma virtude. Trabalhamos diariamente e de forma continuada com quase duas centenas de projetos em valências como Conselho em Comunicação, Assessoria Mediática, Online Reputation Management, Comunicação de Crise, Storyselling, Conteúdos Vídeo, Comunicação Médica, Desenvolvimento Web, Shopper Marketing e Edições. A dimensão das nossas equipas permite-nos acumular e partilhar conhecimento. A circunstância de acompanharmos número tão elevado de clientes não nos impede de acompanhar cada um deles com a máxima atenção em resultado da metodologia que utilizamos, com equipas focadas, motivadas e disponíveis. Áreas onde a LPM mais se tem destacado no tempo recente:

30 Anos 30 Histórias

  • Que bolo é este?

    Regresso ao escritório depois do almoço e na receção está um bolo enorme com o logótipo de um cliente. "Que bolo é este?", pergunto curiosa. "Não sei bem, mas o cliente está a celebrar o aniversário e mandou entregar no departamento das publicações". "Está mesmo a apetecer-me sobremesa. Não pode partir algumas fatias e oferecer a todos com café, por favor?" 
    Já pela hora do lanche, a simpática colega que distribuiu a iguaria, entra de rompante na minha sala:
    - Catarina, afinal o bolo era para uma produção fotográfica!!!! E agora?Nem tive coragem de contar que mais de meio já foi....
    - Oh diabo...! Que chatice! Bom, temos de mandar fazer um igual à pastelaria aqui do lado e eu pago. Só me faltava esta!
    E bom resto da minha tarde foi passado a tentar arranjar um logo igual (sem a internet de hoje), um pasteleiro competente, a acalmar a produtora...
    Bela partida que a equipa me pregou!  Falta de hábito. Não lidamos muito com bolos nesta nossa atividade!

  • Eu só vinha para um estágio

    Dia 1 de abril e não era mentira. Dirigi-me ao 4.º andar do n.º 30, na Avenida João Crisóstomo (sim, a LPM ficava em pleno Saldanha nesse tempo). Ao transpor a porta da LPM dei início a um percurso profissional, com um estágio, na empresa à qual, orgulhosamente, ainda hoje pertenço. Já lá vai uma década. Aprendi e cresci como pessoa e profissional. Continuo a crescer e aprender, todos os dias. Nessa altura seríamos uma vintena de colegas, hoje ultrapassamos a centena. Mas o “ADN” da LPM mantém-se o mesmo: experiência, competência e influência.

  • Eu nem queria sair do Brasil

    Para acompanhar a ação de um cliente no Brasil tive de fazer uma viagem relâmpago: embarcar numa segunda-feira de manhã e regressar numa quarta-feira ao final do dia, passando por duas cidades brasileiras. Entre (muitas) outras peripécias, estive quase para não embarcar de regresso para Lisboa porque o voo estava overbooked. Depois de muito esperar, lá me deram, literalmente, o último lugar do avião (o ideal para quem tem fobia de voar porque é onde se sente mais trepidação)! Depois de já estar na sala de espera com centenas de pessoas, fui inquirida por um elemento da Polícia Federal brasileira e ainda fui encaminhada para um recanto do aeroporto para ser revistada, justificando-se sempre que era o procedimento normal, sendo que das 250 pessoas que embarcaram no avião, eu fui a única com este tipo de procedimento…

  • Num hotel durante 6 meses

    Em 2009 foi-me lançado um desafio: mudar “de malas e bagagens” para o Porto, para integrar o Departamento de Comunicação da Unicer, enquanto a nossa cliente estivesse de licença de maternidade. Foram aproximadamente seis meses, que ainda hoje recordo, pois o balanço foi muito positivo. E morar num hotel é, sem dúvida, uma experiência única!