O maior centro de competências de Public Relations

150 consultores, gestores e técnicos, a referência do mercado português da Comunicação

A LPM fundou, em Portugal, a categoria de Conselho em Comunicação. As suas atividades têm-se desenvolvido, desde 1986, sempre na liderança do mercado - fruto da inspiração de clientes sofisticados e exigentes. Para novos problemas criaram-se soluções inovadoras, descobriram-se canais, inventaram-se metodologias. O âmbito de intervenção foi sendo alargado a todas as disciplinas das Public Relations, num movimento que produziu escala e dimensão e atraíu os melhores quadros da nossa indústria. Venha conhecer THE HOUSE OF PR.

Aceleradores de Tendências

Próximos dos Clientes

Na nossa atividade, a dimensão é uma virtude. Trabalhamos diariamente e de forma continuada com quase duas centenas de projetos em valências como Conselho em Comunicação, Assessoria Mediática, Online Reputation Management, Comunicação de Crise, Storyselling, Conteúdos Vídeo, Comunicação Médica, Desenvolvimento Web, Shopper Marketing e Edições. A dimensão das nossas equipas permite-nos acumular e partilhar conhecimento. A circunstância de acompanharmos número tão elevado de clientes não nos impede de acompanhar cada um deles com a máxima atenção em resultado da metodologia que utilizamos, com equipas focadas, motivadas e disponíveis. Áreas onde a LPM mais se tem destacado no tempo recente:

30 Anos 30 Histórias

  • Tens de ir para a Madeira resolver uma crise. Hoje.

    20 de fevereiro de 2010. A Madeira é afetada por uma chuvada sem precedentes, que deixa um rasto de destruição um pouco por toda a ilha. Um cliente, ligado à gestão de centros comerciais liga e pede ajuda: “precisamos de vocês aqui”. Era o início de uma semana de trabalho diferente, onde a gestão de crise passou do papel à ação. O balanço não podia ser mais positivo: cliente satisfeito, reputação intacta, relação de confiança reforçada. E uma experiência que marcaria os passos seguintes do meu percurso profissional.

  • Eu nem queria sair do Brasil

    Para acompanhar a ação de um cliente no Brasil tive de fazer uma viagem relâmpago: embarcar numa segunda-feira de manhã e regressar numa quarta-feira ao final do dia, passando por duas cidades brasileiras. Entre (muitas) outras peripécias, estive quase para não embarcar de regresso para Lisboa porque o voo estava overbooked. Depois de muito esperar, lá me deram, literalmente, o último lugar do avião (o ideal para quem tem fobia de voar porque é onde se sente mais trepidação)! Depois de já estar na sala de espera com centenas de pessoas, fui inquirida por um elemento da Polícia Federal brasileira e ainda fui encaminhada para um recanto do aeroporto para ser revistada, justificando-se sempre que era o procedimento normal, sendo que das 250 pessoas que embarcaram no avião, eu fui a única com este tipo de procedimento…

  • No tempo do fax

    Véspera de inauguração do Colombo. Naquela altura as correções e a aprovação de textos eram feitas via fax… O cliente assinalava no papel as alterações, reescrevia e devolvia por fax… Depois de várias versões dos textos para a inauguração, ao final do dia continuavam a chegar verdadeiros lençóis de papel com mais e mais alterações à versão, entretanto já aprovada. Houve alguém que não se conteve e desatou a pontapear os lençóis de papel com correções que se espalhavam pelo corredor do escritório no Areeiro, o que por segundos deixou atónita a nossa atual Diretora-Geral…

  • If you can make it here

    Todos sabemos que o NewsMuseum encontrou a sua inspiração máxima em solo norte-americano: o Newseum, em Washington DC. O que nem todos saberão é que o NewsMuseum fez mais uma viagem para o outro lado do Atlântico. Ora, a fama do NewsMuseum antecede, de tal forma, a sua abertura que já foi levado a uma reunião naquela que é chamada por muitos a melhor cidade do mundo – falo, claro, de Nova Iorque.

    Eu tive a sorte de o levar lá. Fui reunir à Associated Press, que ficou bastante impressionada com o que se preparava em terras lusas. Na verdade, a pessoa mais impressionada naquela reunião era eu. Estava na AP. Estava na AP em Nova Iorque. Estava na AP, em Nova Iorque, e fui apresentada na redação. Estava, definitivamente, impressionada.

    Se o Frankie Blue Eyes tinha razão no que cantava sobre New York, nada tememos. O NewsMuseum já triunfou em Nova Iorque, triunfará em qualquer lugar.